terça-feira, 26 de dezembro de 2017

# Minhas inspirações

Já dei muita importância ao que não tinha importância alguma, e só me perdi.


Em junho de 2013, escrevi um texto muito preciso no momento "suavidade é uma busca da minha alma", aonde meu principal tema era: me cuidar, colocar as coisas no lugar, me ajeitar por dentro, me reconstruir. Nele eu citava as tantas coisas que eu havia perdido por descuido, e as poucas que me restavam que eu poderia preservar.

Eu citava também sobre as importâncias que dei para o que não tinha importância alguma, e as que eu poderia dar se em mim houvesse uma reconstrução. Nesse texto eu falava sobre mim literalmente, sobre o meu coração que estava despedaçado por um amor que eu precisava desistir, sobre um alguém que eu precisava urgentemente abrir mão, esquecer, deixar pra lá para que os meus sonhos, a minha vida, os meus planos e tudo que Deus tinha preparado para mim se concretizasse.

E hoje, relendo esse mesmo texto percebi o quanto eu cresci diante dessas decisões que naquele momento eram só palavras escritas por um coração triste, decepcionado e cheio de confusões. A princípio a gente pensa que não vai conseguir fazer metade do que a alma da gente deseja e necessita para se reerguer, ficar de pé, recomeçar, mas o tempo vai passando, a gente vai amadurecendo, criando coragem, se permitindo, se cuidando e as coisas vão acontecendo não porque somos super star, mas porque somos humanos e sentimos dores e aflições quando algo não esta legal pra gente.

Recapitulando a minha história, e me vendo no lugar que estou hoje e nas tantas experiências que descrevo, eu confesso a você que aquela mulher de ontem não existe mais, aquela pessoinha que se achava a bolacha quebrada do pacote já não faz parte mais das que se diminuem ou se ofendem por um tantinho de gente mal resolvida que não sabe o valor que o outro tem, eu já não sofro tanto pelo que não vem.

Sim, continuo tendo sentimentos, continuo amando e perdoando, continuo fazendo o que é certo, mas, os meus pés estão no chão, e só pisam aonde conseguem se firmar. Superficialidades não me atraem mais. Estou feliz com os resultados, e espero de coração, que você entenda que se cuidar faz a gente crescer, e, crescer não nos torna imunes de desafios, mas nos deixa bem, nos torna mais fortes e seguros também.

Cecilia Sfalsin.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A fase mais gostosa de quem escreve é quando conhece a opinião de quem lê....Obrigada por suas palavras e sejas sempre bem vindo(a)....

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Copyright

Os direitos autorais são protegidos pela lei nº 9610/98 e violá-los é crime. Ao copiar textos atribua os créditos.