segunda-feira, 26 de junho de 2017

# Relacionamentos

Quem aceita farelos afetivos rejeita o manjar de Deus.


Quando alguém te julgar por uma decisão, te abandonar por se achar correto(a) demais, te humilhar por se achar sensato(a), te desmerecer sem se importar com a dor que tem te causado, e não valorizar nada do que você foi ou fez só para o ver bem, erga a sua cabeça, respire fundo, peça a Deus para te cuidar e curar, perdoe esta pessoa com todas as verdades da sua alma e siga o seu caminho. 

Mas siga sem se lamentar, sem afagar o sofrimento, sem guardar rancor, sem abrigar ressentimentos, sem se culpar por nada. É desnecessário você tentar convencer um outro coração do tanto que ele significa para você se nem sequer sentir o seu ele foi capaz. 

É desnecessário você se doer tanto por um alguém que não parou para te olhar por dentro, que não notou as suas ausências, nem fez questão da sua presença. É doído você desejar tanto alguém que não ouviu quando o seu pensamento o chamava, que não atentou para o seu amor, a sua vontade de estar perto, as suas preocupações.

 É muita covardia você se anular por quem vive bem sem a sua companhia. Escolha difícil de se assumir, mas não podemos passar uma vida querendo ser notado(a) por aqueles que simplesmente não se importam, não procuram, não dão sinal de vida, e que ja se acostumaram a deixar de lado quem o abriga por dentro, quem o cuida, quem esta sempre ali com o coração na mão pelas lutas que ele(a) enfrenta.

Quem aceita farelos afetivos rejeita o manjar de Deus. Ame o próximo, mas também cuide de você.(Falo de amizades e namoros incompreendidos, falo de gente sem sentimentos). 

Cecilia Sfalsin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A fase mais gostosa de quem escreve é quando conhece a opinião de quem lê....Obrigada por suas palavras e sejas sempre bem vindo(a)....

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Copyright

Os direitos autorais são protegidos pela lei nº 9610/98 e violá-los é crime. Ao copiar textos atribua os créditos.